Um estudo sobre o leviathan - Parte II: Os filhos da soberba

Nesta parte II do estudo vamos trabalhar o aspecto da rebelião. O leviathan é um espírito de rebelião, é o espírito por trás do anticristo, e  costuma usar as pessoas afetadas para fazer motins na igreja. 

"Ele vê tudo que é alto; é rei sobre todos os filhos da soberba." - Jó 41:34

Na parte I deste estudo, vimos que o leviathan é um espírito demoníaco, uma potestade que atua em níveis continentais e tem "cabeças" atuando em nível local, como por exemplo, uma igreja. Vimos um conjunto de atitudes que identificam pessoas afetadas pelo  leviathan como a rebelião, abuso de autoridade,  difamação, calúnia, mentiras e intrigas. Também o tipo de pessoa que ele procura demonizar: os orgulhosos, arrogantes, rebeldes, os "filhos da soberba".

Quando a Bíblia menciona a soberba e seus filhos, fala dos frutos, consequências, oque é gerado pela soberba, estes são: orgulho, vaidade, vanglória, arrogância, prepotência, presunção, autossuficiência, exibicionismo, egocentrismo, ostentação, ambição desmedida, desejo veemente de possuir bens materiais, elevação ou altura de uma coisa em relação à outra, e que leva à soberania, que é o poder ou autoridade suprema, conceito exagerado de si mesmo, com amor próprio demasiado. Ou seja, esse pecado tem relação direta com a ambição desmedida pelo poder e o orgulho exagerado. Dentro da alma humana, esse é o mar onde o leviathan navega.

Ministério de oposição:  Você pode não acreditar, mas há pessoas que se reúnem secretamente com a intenção de arrumar situações para "derrubar" o pastor de sua posição. Certamente é o espírito por trás do anticristo. O ministério pastoral é um ministério do Senhor Jesus.  Assim como os outros ministérios, reflete uma parte de seu caráter e serviço. O leviathan pretende governar a igreja para si mesmo, o demonizado pelo leviathan quer a igreja para si e quer estabelecer seu reino pessoal. Enquanto as autoridades genuínas governam para Cristo e para Seu Reino.

Quando o pastor é uma figura forte e querida na igreja, o demonizado precisa exercer seu ministério de oposição de outra forma: derrubando os líderes de outros departamentos. Nesse ponto, a estrutura religiosa perde quando não entende a necessidade de exercer os cinco ministérios do Senhor Jesus como autoridades na igreja (Esse é um assunto que tratamos no meu livro "O Exército de Deus"). Deus deu à igreja pessoas-presente. Sim, pastores, mestres, evangelistas, profetas e apóstolos são presentes de Deus dados à igreja para edificação da mesma. Não entendemos isso, então quando um demônio se levanta para derrubar a o líder da igreja, ele fica sozinho. A guerra contra o leviathan envolve autoridade. Por não termos estas autoridades estabelecidas na igreja, nossos pastores sofrem todo o peso quase que sozinhos.

Mestre dos disfarces: Uma das características mais impressionantes do demonizado é a de se esconder. Na parte 1 do estudo, vimos que o leviathan era associado a serpentes e crocodilos, e essa é uma informação muito importante para nós. Um crocodilo leva até 6 meses na beira de um rio, esperando as algas crescerem nas suas costas, para que possa dar seu bote fatal. O leviathan é um mestre em disfarces. Ele precisa camuflar suas verdadeiras intenções, afinal, precisa de seguidores. Sabemos que seu alvo é a liderança. Mas combater diretamente alguém que tem autoridade dada por Deus não é tão simples. Isso pode ser feito abertamente em uma reunião solene, ou pode ser feito de formas mais singelas, como fazendo oposição a tudo que o pastor propõe: de um congresso na igreja ao salgado da cantina, tudo oque o pastor faz encontra oposição. Na verdade, oque o demonizado quer é mostrar que o pastor não sabe oque está fazendo. Oque ele quer é minar a credibilidade pastoral. Esta pessoa apontará todos os problemas e falhas da igreja, tendo a sutileza de desviar o foco de si mesmo, mas apontando seus canhões para o líder da congregação. Ele se torna, portanto, o opositor, o adversário número 1 do pastor. São pessoas inteligentes, então, ao invés de reivindicar para si mesmas a liderança da igreja, oque provavelmente fariam com que perdessem seguidores, assumem uma liderança de oposição. E uma oposição pode arrumar tantos seguidores que realmente pode bloquear toda a liderança de um pastor, caso este não tenha pulso forte e senso profético.

Tirania: O demonizado não tem autoridade dada por Deus, e é um tirano. Não sabe ouvir um "não" e quando finge que aceitou bem a oposição a ele, é mentira. Em Êxodo vemos Faraó tentando convencer Moisés a sacrificar a Deus dentro do Egito. Ele finge aceitar bem a saída de Moisés, mas no final, se mostra disposto a matar quem lhe desobedece. Na igreja, o demonizado pode subjugar pessoas, aumentando a carga a fim de que não ouçam ou não façam oque Deus quer. Por isso estas pessoas buscam posições de liderança, para poderem subjugar pessoas com autoridade.

Ativismo: Sabemos que, se por um lado, a seara é grande e poucos são os trabalhadores, por outro lado, o ativismo não vem de Deus. Mas estamos falando de um demônio que impõe cargas. 
"E lhes imporeis a conta dos tijolos que fizeram antes; nada diminuireis dela, porque eles estão ociosos; por isso clamam, dizendo: Vamos, sacrifiquemos ao nosso Deus." - Êxodo 5:8
Um dos motivos para tanto ativismo é a compulsão por dar ordens. Enquanto Deus ordena que se faça tudo no Descanso, o demonizado gosta de dar ordens e não costuma respeitar os limites naturais do ser humano. Ele não entende sacrifícios de louvor, muito menos adoração, e está sempre disposto a interferir nestas áreas, que para ele são apenas áreas ociosas. Ele pode não cancelar um culto de adoração, mas vai fazer com que se torne realmente sacrificante. Adoração espontânea, adoração profética e todas as coisas que vem de Deus ameaçam seu Reino pessoal porque "onde há o espírito do Senhor, há liberdade", mas para ele, não interessa que haja liberdade de ir para o deserto, importa que haja sacrifício. Observe que Faraó não se incomodou com sacrifício, mas com o fato do povo sair para adorar.

Abuso espiritual: Abuso espiritual é o uso impróprio de qualquer posição de poder, liderança, ou influência para seduzir, influenciar, manipular ou coagir pessoas. Sistemas religiosos espiritualmente abusivos são comumente descritos como legalistas, controladores mentais, religiosamente viciadores, e autoritários. 
  • Insegurança disfarçada de Autoridade: Geralmente são pessoas inseguras que podem disfarçar sua maior fraqueza apresentando-a como se fosse sua força, então disfarçam a insegurança usando autoritarismo e dão ênfase excessiva a sua própria autoridade.
  • Elitismo espiritual: essas pessoas induzem outras a crer que, por seu cargo na igreja, são mais ungidas do que qualquer outra, por isso são espiritualmente mais capazes, mais santas, mais maduras, tem mais conhecimento bíblico, mais intimidade com Deus e mais unção. Com esse "selo de qualidade", atraem pessoas que querem servi-las a fim de alcançarem tal status espiritual, fortalecendo o sistema religioso legalista.
  • Distorção das Escrituras: por conseguirem enganar as pessoas e a si mesmo que é um ser mais espiritual, tem revelações que mais ninguém tem. Por isso pode interpretar a Bíblia como melhor lhe convém,e  no final, essa é a regra para interpretação dos textos: a conveniência.  Por exemplo, Romanos 13:1 é interpretada falaciosamente: "Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus." - mas, pelo contexto, o texto é direcionado especificamente as “autoridades governamentais”. Não há evidência nem margem exegética nenhuma para afirmar que é direcionada também a “autoridade eclesiástica”. Mas é um texto muito utilizado por eles para estabelecer sua autocracia desrespeitando o contexto e assim as regras de exegese e hermenêutica.
  • Submissão incondicional: Eles induzem seus liderados a acreditar que devem se submeter completamente, sem o direito de questionar; porque se os líderes estiverem errados, isso é problema deles com Deus, e Deus ainda assim abençoará àqueles que se submetem incondicionalmente porque estão observando um princípio bíblico. mas isto é uma distorção dos princípios da obediência e da autoridade. Deus se permite ser questionado, como um homem mortal não o seria? Jesus pede submissão incondicional a Ele, fato que o distinguia de todos os rabinos e mestres de sua época. Não podemos amar a Deus como Senhor e a outra pessoa da mesma forma, não podemos ter dois senhores. Não podemos servir incondicionalmente a Deus e a qualquer outro ser. Nisto está a liberdade que Deus nos deu. Se servimos a Ele, não precisamos servir a homens. é curioso como um espírito de rebelião se manifesta tanto para "defender" a autoridade. Mas não faz isso para defender a autoridade dada por Deus, mas seus próprios interesses.
  • Proibição de críticas: Por ser inseguro, não permite o livre pensamento nem discussões, nem admite ser questionado. Ele é para si mesmo, um deus, mas sabe que isto é uma ilusão. Mas qualquer pergunta que ameace sua soberania será punida com rigor. É semelhante a doutrina da infalibilidade papal, mas com evangélicos.
  • Inversão da realidade: Inverter os fatos é sua tática favorita. Ele persegue alguém e espreme essa pessoa até que ela não faça oque Deus quer. Se ela recusar, ele vai rotular a vítima como "rebelde", mas isso é apenas projetar nos outros a sua própria realidade. São pessoas orgulhosas, arrogantes e não raro, invejosas. Nunca aceitariam ouvir de alguém que estão sendo rebeldes. Para eles, estão apenas exercendo a autoridade e o mundo se divide em "os que me obedecem" e "os que não me obedecem". 
  • Legalismo extremo: Uma excelente forma de manipular seus escravos é utilizando-se do legalismo extremo. Nunca ninguém será páreo para a santidade dele. Ele é o santo dos santos, e busca o perfeccionismo e santidade exterior apenas para ser o primeiro a poder tacar pedras nos pecadores, pedras que alicerçam sua "autoridade". Perto dele, todos precisam ter cuidado com oque falar, não tolera piadinhas inocentes nem senso de humor e está sempre com um microscópio para olhar as falhas dos outros. Mas não vê as suas próprias falhas, como por exemplo,  fato de a santificação ser realizada a partir de propostas do Espírito Santo e não esquemas humanos.
  • Chicote na mão: Este tipo de pessoa comete abusos de autoridade sem pensar duas vezes, porque para ela, as pessoas são apenas escravos e escravos não merecem respeito e são descartáveis."E foram açoitados os oficiais dos filhos de Israel, que os exatores de Faraó tinham posto sobre eles, dizendo estes: Por que não acabastes vossa tarefa, fazendo tijolos como antes, assim também ontem e hoje?" - Êxodo 5:1.
  • Efeitos devastadores: o abuso de autoridade é devastador. A pessoa demonizada quer um reino para si, o leviathan apenas deseja destruir o Reino de Deus, destruindo a igreja. Esta pessoa pode rachar uma igreja e fundar outra denominação, mas não conseguirá se estabelecer como líder pois não é uma autoridade ungida por Deus. O resultado? Pessoas feridas, decepcionadas com Jesus e com a igreja, e que terão dificuldades em confiar em outras pessoas novamente devido ao alto grau de confiança que tiveram. Como foram traídas, acabam assimilando que confiar pode trazer dor. Mas o amor não tudo crê, e na verdade, oque está bloqueado nelas não é a confiança, mas a própria capacidade de amar.
  • Bullying: a pessoa que contraria o demonizado se torna o "leproso do arraial". Além de ser rotulado como rebelde, passa a ridicularizado, menosprezado, desmoralizado e isolado do resto do rebanho. A finalidade é excluir esta pessoa do "sistema" do leviathan. Pode ser um sistema dentro da igreja ou a própria igreja. Como o leviathan é mestre em disfarces, parece apenas uma questão pessoal, uma divergência de opiniões, mas na verdade, é o leviathan empurrando pessoas ladeira abaixo para o inferno. Os "desligamentos" se tornam frequentes e comuns, e até aparentemente louváveis porque a pessoa tem a liberdade de se desligar de um local onde não se enquadra. Ou então ninguém procura a pessoa porque não entendem como alguém pode se rebelar contra Deus. Mas na realidade aquela pessoa foi excluída de forma traumática e poucos sabem.

Consulta aos magos: Depois de rotular a pessoa como rebelde, vem a parte da consulta aos magos, sábios e videntes (Êxodo 7:11). Em outas palavras, a feitiçaria. Sabemos que rebelião é como pecado de feitiçaria. Estamos falando de um espírito de rebelião, portanto, a feitiçaria, obra da carne, está no pacote. Manipular, seduzir, iludir, tudo isto é feitiçaria. Falamos sobre isto com detalhes na Escola de Profetas do Ninho das Águias. Um coração orgulhoso e cheio de ira exala sentimentos que se tornam "orações". O mundo espiritual percebe essas "orações", que chamamos de orações contrárias. Você não vai achar na Bíblia este termo, porque a Bíblia chama este tipo de oração pelo que é: feitiçaria. Mas fique atento. Depois de uma reunião onde encontrou estas pessoas, se você se opôs a elas de alguma forma e sentiu dores de cabeça, náusea, enjôos, dores musculares, dores nas costas, emoções fortes e repentinas como depressão  ou tristeza profunda, repreenda imediatamente, é uma ataque de feitiçaria dos "irmãos" demonizados.E ore por eles, eles não sabem oque fazem.

Leia mais:
<<Parte I - 
Parte III ->>