Louvores

O Senhor tem agraciado o Ninho das Águias com composições, proporcionando aos adoradores do MPNDA, oferecerem hinos, salmos e cânticos espirituais espontâneos e proféticos. Conheça nossos louvores.

Graffiti Evangelista

Graffiti, intercessão, evangelismo e inclusão cultural: tudo isso é o Graffitti Evangelista, um encontro de graffiteiros organizado pelo Ninho das Águias. Quer levar o Graffiti Evangelista à sua comunidade? Saiba como.

Escola de Profetas Ninho das Águias

A EPNDA, busca maior compreensão da fé e da verdade revelada, associando a teologia ao sobrenatural. Além da teologia propriamente dita, a EPNDA investe no preparo prático para o sobrenatural, para a intimidade e comunhão diárias com Deus.

Guerreiros de Deus

A revista Guerreiros de Deus é um projeto idealizado por André Alves e Lya Alves. Admiradores de quadrinhos e sem opção de leitura diante das temáticas atuais, os dois profetas foram inspirados por Deus a criar esta saga de aventura... Saiba mais

Palavra

André e Lya, através da pregação do evangelho, têm preparado odres novos, para o receber o vinho novo, levando estes odres ao rompimento com o velho a fim de estabelecer um relacionamento íntimo, simples e diário com Deus.

Profecia

"Ao final de 2015 vocês estarão graduados em batalha, mas em todas elas vocês verão a Minha Glória", com esta palavra o Senhor encerrou o ano de 2014, abrindo um novo tempo no ano que seguiu. Saiba mais.

Ninho das Águias na Conferência Missões em Chamas 2014


Ontem,  16 de agosto de 2014,  o Ninho das Águias esteve ministrando na Conferência Missões em Chamas. André Alves convidou os participantes a se envolverem na Presença de Deus e comentou sobre a diferença entre "tocar músicas" e "ministrar". Em seguida Lya Alves trouxe uma palavra profética de reflexão e retrospectiva sobre a promessa de Deus na década de 70, que dizia que o Brasil seria um celeiro de missionários. 

No último Missões em Chamas ela havia comentado sobre o velório do neopentecostalismo no Brasil. Diante de novos megatemplos faraônicos sendo erguidos, ela reafirma: "oque estamos assistindo é um velório". Na década de 70, junto a promessa de avivamento , saiu a promessa dos missionários. Imediatamente, aparecerem 2 teologias que marcaram estes últimos 40 anos: a teologia da prosperidade e a teologia da libertação. 40 anos é o tempo profético que simboliza uma geração. Da década de 70 pra cá, este tempo, e estamos iniciando um tempo novo, com uma geração nova, e a mesma promessa está de pé: O Brasil será celeiro de missionários, e o cenário do próximo avivamento. 

Na última geração, vivemos um simulacro de avivamento, e descobrimos que vivemos num simulacro de igreja com um simulacro de comunhão: falsos pregadores, falsos defensores da fé, falsos mestres, falsos apóstolos, falsa igreja. Uma nova geração começa já com este entendimento, mas também as novas falsas teologias já começaram a aparecer. Já temos um "genérico" da teologia da libertação, que propõe que a missão da igreja é fazer ação social sem Deus, confundindo ação social com justiça, e caridade com missões. Tudo isso é importante, mas além de confundir os conceitos, excluir Deus é inaceitável. Esta nova doutrina é tão "pé no chão" que não toca as alturas onde Cristo vive. Precisamos manifestar o Reino, e isto inclui amor, caridade, alimentar o órfão, a viúva, o pobre, o aflito, os que não tem voz, mas o sobrenatural precisa estar presente, porque o amor pregado por Cristo é sobrenatural.

Já temos uma cópia da teologia da libertação em andamento, nos resta aguardar a nova cópia da teologia da prosperidade, e, se permitirmos, vamos chegar ao final de mais 40 anos sem um avivamento real e sem o cumprimento das promessas. 

As novas teologias não são difíceis de serem notadas, mas pelo entusiasmo com que as pessoas se lançam e pelo carisma de seus mentores, pode ser mais fácil identificar seus falsos mestres pelas suas características:
Não aliar discurso à prática: Mestres que não aliam o discurso à prática são falsos mestres, essa é a chave para identificar as falsas teologias: são engodo. São a cal que embeleza o sepulcro. Não devemos ira trás do que falsos mestres pregam, por melhor que pareça. 
Balança enganosa: os falsos mestres da nova geração tem dois pesos e duas medidas. São defensores da fé, sempre com a espada em punho para defender o Evangelho, mas sua postura é de quem está acima do bem e do mal. Se o pecado é cometido por ele ou pelos que estão aliançados com eles, jã não é mais pecado, é uma atitude tolerável.

Por fim, Lya Alves ministrou sobre a porta do esterco descrita em Neemias:
"A porta do Esterco foi reparada por Malquias, filho de Recabe, governador do distrito de Bete-Haquerém. Ele a reconstruiu e colocou as portas, os ferrolhos e as trancas no lugar." (Neemias 3:14)
A porta do esterco era uma porta por onde saía o lixo da cidade. O ser humano produz lixo o tempo todo. O problema é não limpar, e deixar a cidade virar um lixão. E assim, fez um convite à limpeza do coração. Todos limparam a "cidade interior" e foi  um momento lindo na presença do Senhor.

Um estudo sobre o leviathan - Parte III: O Leviathan e o Anticristo

Nos outros capítulos, já dissemos que o Leviathan é o espírito por trás do anticristo. Mas oque seria o espírito anticristo? Para começar, vamos pela definição do Cristo. Cristo não é um sobrenome, é uma palavra que significa: "O ungido", é o termo usado em português para traduzir a palavra grega Χριστός (Khristós) que significa "Ungido". O termo grego, por sua vez, é uma tradução do termo hebraico מָשִׁיחַ (Māšhîacḥ), transliterado para o português como "Messias". Portanto, o anticristo é anti-ungido e tudo oque a unção representa. Portanto, antes de definirmos o leviathan, precisamos definir oque é o Anticristo, e antes de definirmos o anticristo, precisamos definir oque é Cristo.

O Cristo
No pensamento judaico na época de Jesus, o Messias (Cristo) era imaginado como um Filho de Davi, divinamente ungido e capacitado, que venceria o paganismo e libertaria o povo de Deus. Cristo é um titulo e não um nome próprio. O Evangelho não foi escrito para as pessoas pudessem crer em Jesus Cristo, mas para que as pessoas pudessem crer que Jesus é o Cristo. A soberania messiânica não diz respeito a esfera politica, mas espiritual, assim, o termo "Cristo" aponta para uma realidade espiritual. Jesus fez e ensinou coisas que levaram algumas pessoas a pensar que era  o Messias, mas mesmo assim, não se ajustava ao padrão esperado. E assim é com as pessoas ungidas até hoje, Os "pequenos Cristos" não se ajustam ao que se espera deles, e notoriamente, isto é por causa da unção que os direciona como o vento: imprevisível e fora de sistemas.


Uma vez que Cristo escolheu vir a terra abrindo mão da sua glória, ele tinha limitações humanas. Uma delas era necessitar de uma experiência espiritual para poder realizar a vontade do Pai. A unção que Jesus recebeu o capacitou a ir além da condição humana e realizar prodígios espirituais. A unção possibilitou Jesus a destruir as obras do diabo. Para cumprir sua missão e fazer a vontade do Pai foi necessário que o Espirito Santo o ungisse. A unção derramada sobre Jesus é a mesma derramada sobre nós, seus seguidores. Por causa da Sua unção somos capacitados para fazer coisas que apenas o Cristo faria, tais como: curar enfermos, expulsar demônios, perdoar os inimigos. Quando a Paulo diz que devemos ser seus imitadores, como ele é de Cristo (1 Co 11:1), está sendo bem específico. Ele não diz para sermos imitadores de Jesus, ou do Filho de Davi, ou do Filho de Deus, está falando de Cristo, o Ungido, porque estamos capacitados para isso por causa da unção. A unção traz o sobrenatural de Deus pra terra.

Unção é capacitação.
Unção não é uma manifestação, mas uma capacitação. No dia de Pentecostes, o Espírito foi derramado a todos os presentes e o grande sinal da unção foi que todos tiveram grande ousadia para pregar o Evangelho, ou seja, capacitação. Portanto, a unção não é o termômetro de um culto, se é agitado ou não. Unção é capacitação. Se você sentiu a unção deveria se perguntar para que ela serve, pois toda unção tem um propósito. O antiCristo é antiUnção, porque sem unção não estaremos capacitados para exercer o sacerdócio real, nem pregar o evangelho, nem manifestar o Reino, nem fazer a vontade do Pai.

O antiCristo
O Novo Testamento usa o termo "anticristo" , que em grego significa "opositor a Cristo", para designar pessoas que se opõem a Cristo e também a uma figura escatológica, um líder que vai dominar o mundo, criando um sistema, o sistema do anticristo. Esta figura escatológica será um homem muito complexo e cheio de habilidades e carisma, capaz de ser uma liderança sobre todos os sistemas: religioso, político, militar, intelectual, administrativo,comercial, midiático, etc. Alguns líderes foram excelentes em alguns desses pontos, mas o anticristo será perfeito em todos os sistemas. Ao longo da história, vários líderes foram estigmatizados como anticristos: Nero, Napoleão, Hitler e outros líderes que perseguiram judeus e cristãos. A tirania é algo comum a todos eles, assim como a capacidade de convencer e ser admirado por meio da oratória. 

O antiCristo nasce na igreja. 
"Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora. Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós." - 1 João 2:18-19

Não fique surpreso por saber que o anticristo sai de dentro da igreja para o mundo e não o contrário. João já havia denunciado isso. De fato é uma informação preciosa saber que ele surge dentro da igreja. A oposição ao Cristo começa dentro de seu próprio povo, fato histórico, realidade espiritual. Como identificar a oposição ao Cristo na igreja? Lembre-se, a oposição não é a Jesus, mas ao Ungido. Não é ao Cordeiro, mas ao Ungido. Não é ao amor, mas à unção.

Manifestação do AntiCristo na igreja
O livro de Jó menciona o leviathan. Por que Deus mencionaria tal espírito? Seria o leviathan responsável pelo sofrimento de Jó? Uma coisa nós sabemos: Jó era integro, temente a Deus, mas religioso. Sendo um espírito das águas, sabemos que ele pode submergir a pessoa em águas profundas, como o oceano da religiosidade impulsionando a oposição a tudo oque diz respeito a unção nos cristãos, ou o oceano da sensualidade e devassidão, por onde pode praticar magia sexual e hipnotizar pessoas com sua oratória sensual (veremos isso mais à frente no capítulo sobre arquétipos). Vejamos alguns argumentos que são flagrantes em pessoas demonizadas pelo anticristo, lembrando o conceito de anti-unção:

1 - O sobrenatural não existe mais. Muitas igrejas pregam isso, mas isto é apenas o espirito anticristo agindo nelas, é o leviathan puxando pras profundezas das trevas. O espirito do anticristo opera desta forma, se opondo a tudo que tem a ver com a unção do Espirito Santo e deixando a igreja incapaz de realizar a Vontade de Deus. Com isso ela deixa de ser um organismo vivo e poderoso para ser apenas uma caixa de sistemas religiosos, políticos e os instrumentos que deveriam gerar vida se tornam apenas instrumentos coercitivos. Mas ao contrário do que dizem esses falsos mestres, há homens e mulheres de Deus experimentando e realizando curas e milagres, andando no sobrenatural e se impondo contra todo o conhecimento que se opõe a Deus.

2 - Desordem no culto. Muitos rejeitam a unção porque ele não se encaixa em seus padrões. E nunca vai se encaixar. O homem é que tem que se moldar a Deus e não o contrário. Na visão deles, a unção cria desordem no culto. Mas o Espírito de Deus é como o vento, ele sopra em direções diferentes, é imprevisível. O Espírito Santo delicadamente desarruma o culto do homem para ajustar o culto para Deus. é o princípio expresso em provérbios 14:4 " Não havendo bois o estábulo fica limpo, mas pela força do boi há abundância de colheita." A preocupação de Deus é com a vida no culto, não com a liturgia. então se Deus quiser sacrificar a liturgia, acenda o fogo, porque o culto é para Ele. Se você não é o líder da congregação e precisa se submeter ao culto humano, então lembre-se que você pode fazer seu culto a Deus em casa, e mesmo dentro da igreja você é igreja e pode ser um crente avivado numa igreja morta, assim como os avivalistas foram homens avivados em países mortos. Há esperança: você.

3 - A fé tem que ser racional.Verdade, mas estamos falando do racional de Deus. Para Deus, é perfeitamente racional andar sobre as águas, descer fogo dos céus e alimentar uma multidão com 5 pães e dois peixes. Para acompanhar o Espirito Santo, precisamos usar a fé. É a fé que vai nos fazer romper os limites do pensamento racional, intelectual. É a fé que vai nos fazer entender a lógica do Espirito. Para a mente racional, 2+2= 4. Para Deus, 1+1+1=1, por isso, Pai, Filho e Espirito Santo são um. Ou seja, temos muito oque aprender sobre lógica divina.

4 - Deus não fala comigo diretamente. Uma mente cativa ao anticristo é arrogante e egocentrista (falamos sobre isso no capítulo anterior), mas as obras da carne são manifestas e a soberba é uma delas. Quem não entende a ação do Espirito Santo, porque mudou a direção do vento ou porque fez algo diferente ou fora dos padrões e sistemas reconhecidos, simplesmente não aceita que outros percebam e ao invés de reconhecer seu afastamento de Deus, tende a achar que os outros é que estão errados. Certa vez, havia outros profetas no arraial, profetizando e adorando a Deus. Umas pessoas que não conseguiam acessar Deus daquela forma, foram fazer fofoca a Moisés dizendo que tinha gente profetizando, como se isso fosse uma ameaça. Moisés era um homem que conhecia a Deus  e disse:"queria eu que todos profetizassem". Mas a Bíblia não diz que estes homens foram adorar a Deus nem o ouviram falar, e provavelmente porque não queriam ouvir Deus falando, mas queriam apenas que os outros deixassem de ouvir. Muitos líderes simplesmente proíbem profecias em seus cultos por medo de que outros ouçam a voz de Deus e assim ponham em risco sua posição de liderança, perdendo o controle sobre a congregação. 

5 - Tudo oque Deus precisa dizer, já disse nas Escrituras. "Se quero ouvir Deus falando, abro a Bíblia". Bem, façamos uma analogia ao povo no deserto. Eles tinham as tábuas com a Lei, mas mesmo assim, precisavam seguir a nuvem da presença de Deus. Esse é um problema nas igrejas: não seguir a nuvem da presença de Deus. Os líderes traçam seus rumos, e não permitem que Deus faça alterações. Deus permite isso, mas também não vai com eles. Ou sacrificamos nossos planos ou sacrificamos a Presença de Deus, e certamente isso explica porque tantas igrejas frias, estéreis e cheias de morte hoje.

6 - Não preciso de experiências com Deus - Jesus precisou de várias experiências com Deus: o sobrenatural no deserto, o momento do batismo, a transfiguração... Um dos grandes motivos que leva os jovens hoje ás drogas é a necessidade de uma experiência com Deus. Isto está no DNA do homem. Mas por não saber disso, busca experiências nas drogas ou em religiões exotéricas. Alguns crentes concordam com os ímpios dizendo que esta busca é escapismo, fuga da realidade. Mas na verdade, é o espirito clamando: "ABBA, Pai". É a necessidade de transcender a matéria e tocar o divino. Mas para quem está muito bem com sua vida material e seus padrões carnais, este tipo de coisa é desnecessária. Você, porém, precisa de experiências com Deus, experiências com o espiritual. oque ocorre com estas pessoas é que embora saibam que não devem se moldar aos rudimentos deste mundo, elas não conhecem os rudimentos do mundo espiritual, então como se moldar ao que você não conhece? Por isso são tão carnais. Quem não conhece os padrões e valores espirituais, conhece apenas os padrões e valores carnais e pode até se negar a se moldar a eles, mas não conhece outros padrões, ficando entre a carne e o ascetismo.

Na verdade, você precisa aprender a ler o discurso por trás das falas. Quando alguém diz:"Deus não fala com as pessoas" esta dizendo na verdade é: "não sou capaz de ouvir Deus falando"; quando diz "Tudo oque preciso saber de Deus está nas Escrituras", embora soe muito bonito, significa " não consigo nem quero entender quando Deus fala". E "Deus não fala diretamente as pessoas" significa; "Deus não fala diretamente comigo". então não caia no oceano do leviathan, porque o fim dele é morte. No final, todo o universo destas pessoas é centrado no eu. E o "eu" precisa ir pra cruz e morrer.