Faça perguntas! - palavra profética


+NinhodasaguiasOrgem Google+

“Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã. Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra” (Isaías 1:18-19)

Deus é misericordioso e bondoso. do alto de sua onisciência e onipotência Ele nos convida a questioná-lo. Deus não se ofende por nossos questionamentos, antes prefere um coração sincero e corajoso. Mas há formas e formas de fazer perguntas. Deus sempre responde, às vezes, num silêncio eloquente. Lembro-me do tempo em que eu não acreditava em Deus, mas decidi tentar falar com o Criador: "Ei, Deus, se é que você existe, fala comigo". Eu tive uma resposta: um silêncio de 10 anos. E eu entendi perfeitamente o recado: Ele estava abatendo a minha soberba.

Domingo no culto do Ninho Deus nos fez um convite e quero passar pra você que está lendo:

"Façam-Me perguntas".

E imediatamente comecei a perguntar sobre as coisas que O interessavam. Obtive respostas surpreendentes. Uma das coisas que aprendi foi que Deus gosta de falar das coisas que Ele está fazendo, e que nem sempre Ele quer falar sobre aquilo que nos traz ansiedades.

O convite foi uma chave profética para revelações do Reino. Pense grande, pense no Reino de Deus e na Sua Justiça: é sobre isso que Ele quer falar. é tempo de perguntar sobre avivamento, sobre como a Justiça divina opera em minha vida e através de mim, em como posso me alinhar com o Reino: perguntas de filhos sábios. Deus tem muitos filhos, mas nem todos são sábios.

A Bíblia nos fala de quatro filhos: o sábio, o perverso, o ingênuo e aquele que não sabe perguntar.

O filho "sábio" é oque pergunta: "Todos esses testemunhos, leis e regulamentos que nos foram dados por Deus, o que significam?" Assim procedendo, o filho "sábio" mostra seu desejo de conhecer a história do Pessach (Páscoa judaica). O filho sábio tem os olhos no Pai: por isso o alvo dos seus interesses  é cuidar das coisas do Pai. Como Jesus disse:" minha comida é fazer a vontade do Pai".

O filho perverso, no entanto, desafia todos os presentes ao perguntar: "O que significa tudo isso para vocês?" E por dizer "para vocês" e não para ele, dá a entender que a cerimônia e tudo o que representa nada significam para ele. O filho perverso não se vê como herdeiro das promessas, ele não acha que receberá nada do Pai, porque embora o Pai demonstre amor, ele é focado demais em si mesmo para perceber algo além do seu umbigo: até mesmo o infinito amor de Deus.

O filho "ingênuo" não denota sua falta de interesse, mas sim pouca compreensão do profundo significado da cerimônia. Ele pergunta: "Que significa tudo isso?" E temos o dever de lhe responder: "Com mão forte Deus libertou o povo judeu do Egito, da casa da escravidão". O filho ingênuo tem bom coração, mas está num relacionamento superficial com o Pai, por isso não compreende a altura, a largura, a profundidade e a densidade das questões divinas. Está sempre na superfície, nas questões terrenas ou básicas do mundo espiritual e num amor superficial.

O quarto filho é o que nem sabe como enunciar a pergunta. Devemos, portanto, levá-lo ao processo do aprendizado, ensinando-lhe: "Fazemos tudo isto por causa de tudo o que Deus fez por mim quando me tirou do Egito". O quarto filho é ignorante. Sabe que é filho porque nasceu, existe, logo tem um pai que o criou. Nada além disso. Devemos desprezá-lo? Não! Devemos ensiná-lo.

Se Deus quer perguntas, faça! O filho perverso certamente perguntaria sobre sua vida pessoal: é o mestre do "Me, Me, Me" (eu, eu, eu); o filho ingênuo perguntaria sobre seu mundo religioso, sua congregação ou denominação, pois tem visão limitada. O filho ignorante não sabe nem oque perguntar. Mas o filho sábio quer saber oque Deus está fazendo.

Faça perguntas. Há coisas grandes que Deus quer te contar sobre oque Ele está fazendo mundo a fora, coisas que você nunca imaginou. Deus quer falar sobre suas esferas de influência, sobre despertamento, sobre as igrejas. 

Em Cristo, 
Lya Alves