Tesouros da Glória. Parte 1: Em busca da felicidade - Culto 24/11/2016


“Confia no Senhor e pratica o bem; habita na terra e alimenta-te da verdade. Agrada-te do Senhor e Ele satisfará os desejos do teu coração. Entrega teu caminho ao Senhor, confia Nele e o mais Ele fará. Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito, como o sol ao meio dia.”
- Salmo 37:3-6

Quando oramos sobre 2016, Deus nos disse que seria o ano da Sua justiça. Em breve postaremos as palavras proféticas para 2017, mas podemos adiantar que oque Deus tem nos dado continua ligado a Justiça Divina, ao Amém, ao Maranatta. Portanto, como direção profética, ainda é necessário pregar sobre Justiça, que está ligada a alegria em Deus. Precisamos orar como paulo orou em Efésios 1: 17-18: para que o Senhor abra os olhos do nosso coração e nos dê espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento Dele, e que sejam iluminados os olhos do nosso coração para que saibamos qual a riqueza da glória da nossa herança nos santos. Precisamos entender a justiça divina e sua relação com a alegria e as fontes de vida eterna. Sim, meu irmão, precisamos ouvir palavras espirituais, se pretendemos ser pessoas espirituais.

A moral humana: Moral é um conjunto de proibições que visa tornar sustentável a convivência dos seres humanos. Toda sociedade tem uma moral. As culturas mais bárbaras e desumanas tem sua moral e seus códigos de honra. A moral em nossos dias é um pouco mais refinada, polida, mas ainda é mundana, oportunista e sanguinária como nos primórdios da humanidade. A moral humana justificou o holocausto nos dias de Hitler, o tráfico de negros na idade média e o assassinato de mulheres curandeiras na mesma época.

A moral cristã: O cristianismo propõe sua própria moral e seu próprio conjunto de regras e normas para atingir seu objetivo que é te dar conhecimento da nova vida e dos códigos de conduta que te permitirão ser  “novo homem”, a fim de que você esteja apto a “entrar na presença do Rei” Jesus. Desta forma, o cristianismo enquanto religião, não salva. Oque salva é a fé, que é dada por Deus. Mas o cristianismo facilita sua chegada a Jesus. E aí, sim, uma vez diante de Jesus, você está diante do caminho, da verdade e da vida, pois quem vê Jesus vê o Pai, porque Jesus é Deus, e isto é uma crença fundamental do cristianismo, na verdade um dogma ao qual não se discute. Eu quero que você entenda que o cristianismo é necessário, mas Jesus não veio em carne fundar uma nova religião, Ele veio entregar sua vida por nós e então nos salvar, por causa do amor de Deus. Então, sinto muito pelos mais apegados ao senso religioso, mas todas as religiões passarão, inclusive o cristianismo. Oque restará? Relacionamento face a face com Deus. Eu imagino que glorioso a eternidade para conhecer os infinitos de Deus. Paulo, que foi arrebatado ao sétimo céu fala sobre “os tesouros da glória nos santos”. Imagine, conhecer e ter comunhão plena com Deus e não apenas isso, mas conhecer e ter comunhão plena com a fagulha divina nos irmãos! Ser um só com Deus! Ser um só com os irmãos! Sem mentiras, sem falsidades, sem fofocas, sem melindres, sem hipersensibilidade, sem mentiras! Glorioso, não? Pois é, é isso oque nos espera, além de uma vida incrível numa sociedade criada, projetada, trabalhada e normatizada por homens com o nível espiritual de Jesus! Maranatta!

A moral cristã é diferente da moral humana. Porque a moral cristã procede de Deus. Enquanto a moral humana procede de homens com o objetivo de suportarem uns aos outros, a moral divina procede de um Deus que está acima do bem e do mal. Não que isto torne Deus amoral, mas de fato, Deus criou o bem e o mal (como Ele mesmo diz em Isaías “ eu faço o bem e crio o mal”), logo, bem e mal são criações divinas e não a essência de Deus. A essência de Deus é o amor. “Ah, mas porque Deus tolera o mal?” ou “Se Deus é onipotente porque não acaba com o mal de uma vez por todas”? Esse era o paradoxo de Epicuro. Para ele, o fato de Deus ter conhecimento de todo o mal e poder para acabar com ele e mesmo assim não o fazer significava que ou Deus não era de todo bom, porque permitia o mal, ou se não tolerava o mal, mas não conseguia impedir, então não era  onipotente. Mas Epicuro, assim como muita gente hoje, pensava que Deus poderia ser encaixado dentro do conceito de “bem” ou “mal”, quando Deus não pertence a estas categorias. Por isto é tão importante o texto de Isaías, porque Deus diz que são criações e  não a essência divina. Epicuro simplesmente não entendia que Deus é amor. Deus tolera o mal? Não. Por que Deus não acaba com o mal no mundo? Simples. Porque pra isso teria que acabar com você e comigo. Seja honesto, o mal não cresce em árvores, não é um vírus ou algo impessoal. O mal é uma ação praticada por seres humanos, falhos como eu e você. Quantas vezes você já mentiu? Quantas vezes fez mal a alguém (independente da intensidade? Quantas vezes foi injusto ou falou mal de alguém? Você é mal. A Bíblia diz que “todos pecaram”(Romanos 3: 23), ignorar isso Deus poderia extinguir a humanidade novamente, como nos dias de Noé, mas optou pro promover a salvação. Portanto, neste mundo cruel e insano, tereis tribulações. Motivo? Jesus não veio para nos livrar do sofrimento humano, Ele veio para livrar a alma humana da extinção, da separação total e absoluta de Deus, separação a que chamamos “inferno”.

Distorcendo as Escrituras: Quando alguém pega os ensinamentos do cristianismo e mistura com a moral humana, está rebaixando o cristianismo a um mundanismo mais tosco e pagão. E o homem, perde a capacidade de ser uma nova criatura, porque isto seria feito mediante ação do Espírito Santo, e torna-se apenas uma porca lavada. Uma porca pode ser lavada, perfumada, enfeitada. Mas quando você solta a porca, ela se joga na lama na primeira oportunidade. Assim é com o cristão que em sua mente misturou o cristianismo puro e simples a seus conceitos de moral humanos. Não passa de uma porca lavada. Os melhores dons divinos, os mais excelentes talentos, os sacrifícios, louvores, votos, dedicação… na vida de um cristão desse tipo não passam de “joia de ouro em focinho de porco”(Provérbios 11:22).

Desonrando Deus. Toda relacionamento humano tem seus códigos de conduta, de honra e de desonra, do que é aceitável, do que não é. Nosso Deus é um Deus de relacionamentos. Há várias formas de desonrar a Deus e infinitas possibilidades e diferentes manifestações. A todas elas damos apenas um nome: pecado. Segundo John Piper, “pecado é desonrar a Deus pela preferência a outras coisas e agir com base nessas preferências”. Isto não é uma definição teológica, mas prática. Esse é um dos papéis do teólogo: transformar os conceitos teológicos em aplicações práticas.

Precisamos aprender a moral divina, descrita nos Evangelhos, do contrário, não teremos nada a oferecer a este mundo e não seremos capazes de ser sal e luz. Se oferecermos a solução dos problemas de alguém através do cristianismo, estamos mentindo, porque Jesus disse que teríamos tribulações. E mais ainda, “a solução dos problemas” foi uma das ofertas do diabo quando tentou Jesus no deserto: “transforma essas pedras em pães”, ou seja, “resolve seu problema”. Muito cuidado com o tipo de Evangelho que você oferece, você pode estar oferecendo o Evangelho do diabo a alguém. Quando fazemos isso, estamos apenas sendo reflexo do mundo, mas nunca o reflexo de Deus.

Mas se queremos buscar a felicidade, é é isso que vamos fazer nos próximos dias, precisamos aprender a buscar o Senhor precisamos nos alimentar da verdade e nos agradar do Senhor. então Ele satisfará os desejos do nosso coração. Geralmente buscamos os desejos do nosso coração e pedimos que Deus se agrade de nós, mas esta, obviamente,  não é a forma correta. Seguimos nosso próprio caminho ao invés de andar Nele e achamos que vamos parar no jardim das delícias. Mas não funciona assim. Na prática, entramos no jardim das ilusões e terminamos no fundo do abismo, é uma questão de tempo.  Não precisa ser assim. Podemos simplesmente descobrir como é andar com Jesus e pedir que Ele abra nossos olhos para que posamos ver os tesouros da glória.

Graça e paz!

Leia a Parte 2 da Série "Tesouros da Glória"