Tesouros da Glória. Parte 3: Sombras da felicidade

Quando falamos de "tesouros da glória", obviamente, são os tesouros que, como Jesus disse, a ferrugem não pode corroer, a traça não pode comer, o tempo não pode destruir. Tesouros que só podem ser vistos e apreciados espiritualmente, com os olhos do entendimento, porque estão escondidos em Deus.


“Que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos”
Efésios 1:17,18

Esse é nosso texto base nesta nossa caça ao tesouro.: 
“Confia no Senhor e pratica o bem; habita na terra e alimenta-te da verdade. Agrada-te do Senhor e Ele satisfará os desejos do teu coração. Entrega teu caminho ao Senhor, confia Nele e o mais Ele fará. Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito, como o sol ao meio dia.” 
- Salmo 37:3-6

Hoje falaremos sobre como descobrir os tesouros da glória. Por serem espirituais, a maioria das pessoas não os vê. Mas eles estão lá: elas podem esbarrar neles, tropeçar neles, mas não conseguem ver. E como não conseguem ver, não conseguem tocar, experimentar, usufruir.

“Peço que Deus abra a mente de vocês para que vejam a luz dele e conheçam a esperança para a qual ele os chamou. ” - Efésios 1:18 (NTLH)

Eu separei 4 princípios para quem quer descobrir os tesouros da glória:

1. Nos expor a ação do Espírito Santo a fim de sermos transformados:
(“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.”-  2 Coríntios 3:18)
Somos transformados de glória em glória na “mesma imagem”, em grego o texto fica mais forte, algo como: somos transformados em “exata imagem”, “por causa” do Espírito do Senhor. E isso quando somos expostos a sua glória. E oque é a glória de Deus? É a sua presença, sua majestade. Majestade é governo total. Quando nos submetemos totalmente ao governo de Deus, temos a presença de sua glória. Precisamos nos submeter ao governo de Deus e então seremos expostos a sua glória e os frutos do Espírito Santo poderão ser semeados. Isto não é uma fórmula, mas é um princípio.

2. Pedir que Deus abra nossas mentes:
Precisamos pedir para Deus abrir nossas mentes para enxergarmos a luz. Paulo estava dizendo que ainda enxergamos sombras. Como  na Alegoria da Caverna, de Platão, enxergamos a sombra da felicidade e a buscamos em vão, porque sombra não é tangível. Sabe aquela sensação de estar tão perto da felicidade, tudo perfeito, maravilhoso e de repente a felicidade foge? Mas a felicidade não fugiu, ela nunca esteve ali. Você estava olhando para as sombras da felicidade. Todos tem experiência com as sombras da felicidade, mas quantos temos experiências com a felicidade verdadeira? Sombras não são reais, nem tangíveis, mas quando pensamos que elas são estão ali de fato, sempre acabamos com a impressão de que elas fugiram de nós. As vezes precisamos ter experiências com as sombras da felicidade para que possamos descobrir a cegueira em nossos olhos. Quando pedimos que Deus nos dê colírio para os olhos, antes, Ele pode querer nos mostrar que não estamos com os olhos doentes, mas que estamos em trevas. A partir do momento que descobrimos que estamos em trevas, estamos aptos a conhecer a luz:
"Mas vós sois a geração eleita, o sacerdòcio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" - 1 Pedro 2:9

Precisamos dedicar nosso tempo com Deus a fim de que Ele abra nossa mente. Muito do que chamamos de felicidade é apenas “status”, “fama”, “poder”, “dinheiro”, e não a felicidade em si. As coisas espirituais não são circunstanciais. A felicidade, alegria do Espírito Santo, não é circunstancial nem momentânea. Tudo que você pode perder, tudo que pode ser tirado de você, não é a felicidade que vem do espírito, porque Deus trabalha com categorias eternas. Isso nos leva algo mais profundo: se nossa vida pode ser tirada, a felicidade não está nessa vida. 
“Ora, se a nossa esperança em Cristo se restringe apenas a esta vida, somos os mais miseráveis de todos os seres humanos” - 1 Co 15;19
Não que você não possa ser feliz nesta vida, você pode ser feliz aqui, mas a felicidade enquanto tesouro, só na outra vida. Então preciso morrer pra experimentar os tesouros da glória? Não. Você já entrou pra outra vida quando se converteu. O cristão quando se converte, entra na dimensão da eternidade, embora ainda esteja preso a este tempo e a este corpo carnal até o dia de sua morte.

3- Aprender a contar os dias.
“Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios.” - Sl 90:12
O salmista pede que Deus ensine a contar os dias para alcançar sabedoria. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria. O temor do Senhor  nos faz obedientes. Se somos obedientes, atraímos a glória de Deus e nos expomos a ação do Espírito Santo, logo, cedo ou tarde os frutos virão. 

A morte é um parâmetro excelente para a felicidade e para oque é essencial. Nosso coração não pode estar em coisas circunstanciais. Oque realmente importa? Se você fosse morrer hoje, oque importaria realmente? Na hora da morte, geralmente tudo se resume a “alegrias que não tive” ou “mágoas que não resolvi”. 

4 -  Fazer escolhas que estejam alinhadas com a nossa fé
A morte nos lembra que o destino final está garantido, e oque importa é o caminho a ser trilhado. 
 “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida” (João 14:6)
Como você vai chegar no último dia de vida é oque conta. Não é aonde você vai chegar, mas como.  Todos vamos morrer. Todos vamos comparecer diante de Deus. Isso é fato. Mas daqui até lá, como faremos isso com alegria? Andando pelo Caminho. A gente precisa aprender a andar cumprir essa palavra: se agradar do Senhor para que Ele realize os desejos do nosso coração. Mas geralmente nos realizamos os desejos do nosso coração e esperamos que Ele se agrade de nós. Mas não funciona assim. O caminho importa. E o caminho são suas escolhas, suas decisões. Andar em Cristo é submeter suas escolhas e decisões ao governo e Majestade Dele. Temos que ser maduros. Toda escolha envolve perda. Quero comer doces? Ou quero ficar feliz diante do espelho? Quero me divertir ou quero passar na faculdade? Toda escolha envolve perda. Se quero um corpo sarado, não posso cair pra dentro dum pote de Nutella. Se quero um bom casamento, tenho que abrir mão do estilo de vida de solteiro. Precisamos fazer escolhas que estejam alinhadas com a nossa fé (“a esperança a vocação”). Mas isso só é possível se nós permitirmos que Deus abra nossa mente. Ele não vai fazer isso contra nossa vontade.

Em Cristo,
Lya Alves

Leia a Parte 2 da série Tesouros da Glória